Todos que tem um contato próximo com crianças acabam escutando falar sobre os “terríveis dois anos de idade”. Agora inclusive é estendido aos três anos como “terrible 2 and 3”.

Esse é um grande momento de desenvolvimento para as crianças, um salto em que os pequenos absorvem muita coisa. Só que ao mesmo tempo é como se fosse a chegada a adolescência dos bebês. É birra, é frustração e muito choro. Cada pequena atividade se torna muito mais difícil na rotina da criança.

Apesar de ser algo muito positivo para o desenvolvimento infantil, é um grande desafio e teste de paciência para os papais de plantão. 

Por isso neste artigo iremos explicar melhor todo esse momento, para que você entenda melhor o que realmente está acontecendo com seu filho. E assim você também obtenha novas informações para reagir a essas situações normais da idade.

Iremos lhe trazer todas essas informações a partir das seguintes perguntas:

  • O que acontece com a criança aos dois anos?
  • Quais são as atitudes das crianças nessa fase?
  • Como trabalhar com a frustração da criança?
  • O que fazer no momento da birra do bebê?
  • Quais são os fatores que podem desencadear?
  • Como reagir após um momento difícil?
  • Como manter o autocontrole durante o estresse?
  • Quais são as maneiras de evitar a birra?
  • Quando buscar por ajuda profissional?

Está com as mesmas dúvidas e quer saber o que fazer sobre os terríveis 2 anos? Então pegue o seu bloquinho de notas e leia até o final do artigo…

O que acontece com a criança aos dois anos?

A primeira coisa que você precisa refletir, estudar e entender é o que está acontecendo com o seu filho. Porque o seu comportamento mudou, tantas birras começaram e parece que não escuta mais você.

As crianças não são más, essas mudanças e atitudes não são uma escolha para deixar a vida dos pais mais difíceis. Existe uma explicação muito maior por trás do que você está vivendo agora com o seu filho.

Nessa fase a criança começa a perceber que é uma pessoa independente dos seus pais. Está caminhando, falando e começando a ter sua própria opinião e vontades sobre as coisas ao seu redor.

Entre os dois e três anos é uma grande janela de crescimento, tanto na parte intelectual quanto na parte física. 

Tudo isso acaba resultando em muitas birras, choros sem explicação e um grande estresse a cada vez que o pequeno é contrariado.

Isso acontece porque o cérebro da criança ainda está se desenvolvimento e ela ainda está aprendendo a viver em sociedade. A criança pequena ainda não tem o controle de suas emoções, o que causa um grande transtorno a cada rejeição recebida. 

Por isso é essencial ter em mente que isso é uma importante fase do desenvolvimento do seu filho e que todas as crianças passam por isso. Não é falta de educação, não é ser mimada ou precisar de mais punições.

Vamos ver agora como reconhecer as atitudes que acontecem muito nessa fase do desenvolvimento infantil? Leia abaixo:

Quais são as atitudes das crianças nessa fase?

É muito fácil identificar quando uma criança chega em uma fase tão desafiadora quanto a dos terríveis dois ou três anos de idade. No entanto é sempre bom visualizar e ter a consciência de que é normal e pode acontecer em qualquer família.

Então, o que você pode estar preparado para ver nessa fase infantil é o seguinte:

  • Birra: Muita e muita birra, o que inclui morder, chutar, bater e jogar as coisas longe;
  • Oposição: Do dia para a noite a criança vai começar a negar coisas que antes ela estava totalmente ok. Como por exemplo segurar a mão ao atravessar a rua, ter ajuda ao colocar as roupas ou alguém ajudar na hora de comer;
  • Mudança de humor: Em um momento o seu pequeno pode estar super calmo brincando e em outro chorando e gritando por algo que você ainda nem entendeu;
  • Independência: Querem fazer tudo sozinhos, inclusive ajudar em atividades que não são apropriadas para a idade.

Tanto para meninos ou meninas, a quantidade de birras é a mesma. Todas as crianças passam por isso, podendo variar a época e a intensidade. 

Por isso é essencial trabalhar os sentimentos dessa criança, principalmente quando estamos falando de frustração…

Como trabalhar com a frustração da criança?

O sentimento de frustração é comum em qualquer idade. Quantas vezes você se estressou por um ônibus atrasado, um colega fazendo algo que não te agradava ou aquilo que você queria muito mas não deu para fazer ou comprar?

A grande questão nessa fase do desenvolvimento da criança pequena é que ela ainda não sabe como lidar com isso. A criança não tem controle de suas emoções e a cada frustração o sentimento é extremamente intenso e ela se entrega a isso.

O que você pode fazer para melhorar isso e consequentemente diminuir as birras dos 2/3 anos de idade é trabalhar essa frustração. Dar ferramentas para que a criança aprenda a lidar com isso e aos pouquinhos vá se tornando mais fácil.

Não existe uma solução mágica, mas há alguns meios bem efetivos para trabalhar toda essa frustração da crianças:

Ler livros

A criança aprende muito com situações que ela vê no seu dia-a-dia. Então ler livros que expliquem as emoções, que falem sobre compartilhar brinquedos ou qualquer outra situação que a criança esteja tendo dificuldades irá ajudar muito. 

Além de ler é importante contextualizar com aquilo que a criança está vivendo e quando a situação ocorrer, você relacionar com a história lida. 

Por exemplo, imagina que vocês leram um livro sobre uma criança que não queria dividir os brinquedos e então as outras brincaram sem ela. Quando o seu pequeno não quiser dividir, você pode relembrar a história e as consequências que a sua escolha pode trazer. Assim a criança mesmo fará a decisão, mesmo que possa significar brincar sozinho naquele momento. 

Explorar os sentimentos

Quantas vezes você já perguntou ao seu filho como ele está se sentindo, sem ele estar doente ou chorando?

É importante que a expressão dos sentimentos estejam na rotina da criança, já que é esse o ponto que ela está aprendendo a lidar. 

Então pergunte para o seu pequeno como ele está se sentindo e compartilhe os seus sentimentos também. Por exemplo, se você for no mercado e não tiver o que você queria, conte para o seu pequeno que você ficou desapontada de não encontrar aquele item. Mas tudo bem, na próxima vez você vai achar.

Conversar

Explicar para a criança que você irá escutá-la é muito importante. Deixe sempre claro que quando ela está sentindo algo, precisa de ajuda ou tem um problema ela sempre pode conversar.

Usar as palavras é essencial para que você possa ajudar, o que com o choro não é possível. É tudo bem chorar quando se está triste, mas se usar as palavras e explicar a situação vocês irão resolver muito mais rápido.

Buscar outras soluções

Se a torre de brinquedos que a criança estava construindo com tanto foco cair, explique que sempre dá para buscar outro jeito. As coisas nem sempre são perfeitas ou como queremos, mas sempre podemos buscar novas soluções que podem deixar ainda mais divertido.

Lidando com a frustração

Quando mesmo com tudo isso a criança ainda se sente muito frustrada com o que aconteceu, você pode dar ferramentas para lidar com isso.

As minhas sugestões são bem simples: Peça para dar um tempo e ir fazer outra coisa. Conte até dez em voz alta juntos, respirando profundamente a cada número. Cheire a flor e sopre a velinha (imaginário com as mãos) ou mesmo o chocolate quente.

Assim a criança consegue se acalmar e é possível conversar e encontrar uma solução juntos para a causa da frustração.

E o que fazer quando a situação está feia? Quando a criança está no meio de uma birra?

O que fazer no momento da birra do bebê?

O primeiro de tudo em um momento de birra é ter muita paciência. Nós sabemos que é estressante, que tem mil e uma coisas acontecendo e você ainda precisa lidar com isso.

Só que estamos falando de uma criança, uma pessoinha que não sabe lidar com suas emoções e precisa de suporte da sua parte. Mesmo que a criança esteja errada, que você já conversou várias vezes, que não é possível dar o que estão pedindo, não perca a cabeça!

Respire bem fundo e esteja pronta para lidar com calma, sem gritos ou agressividade. Afinal, ninguém sai gritando com você quando você está chateado.

Se a criança estiver chorando muito, gritando e jogando as coisas, busque primeiro acalmá-la. Peça para respirar fundo, para contar até dez, cheirar as florzinhas e para tentar explicar o que está acontecendo. Escute a criança e explique o porquê do que aconteceu. Abrace a criança e de suporte emocional até que seja possível uma conversa franca.

Quando a criança estiver mais calma você pode pedir para recolher o que foi jogado e pedir desculpas por alguma atitude inadequada. Uma coisa de cada vez, sempre levando em consideração que a criança está aprendendo a lidar com o seu emocional.

Pode ser muito difícil no momento do estresse, no entanto, são as maneiras mais positivas para reagir e corrigir o comportamento do pequeno. Resumindo: não se altere ou seja agressivo, demonstre suporte e apoio emocional, acalme a criança e então tente solucionar o comportamento.

Quais são as situações suscetíveis a essas birras dos 2 anos de idade?

Quais são os fatores que podem desencadear?

Existem algumas coisas na rotina que podem se tornar gatilho para uma birra, choro e a novela inteira. Muita coisa pode variar de criança para criança, mas em geral os fatores que desencadeiam a explosão de emoções são os seguintes:

  • Fome, cansaço ou excesso de estimulação (como o açúcar);
  • Perda de controle e frustração: Quando a criança quer fazer algo que está além de suas habilidades, como amarrar um cadarço por exemplo;
  • Ansiedade: Quando os pequenos sabem que alguma mudança está para acontecer e ficam extremamente sensíveis. Como os pais indo trabalhar ou a criança indo para a creche.

Não dá para simplesmente cortar esses fatores da rotina, afinal é comum sentirmos tudo isso no dia a dia. Mas é possível controlar, estabelecer uma rotina que evite cansaço e fome, além de estar sempre mais atenta nesses períodos de sensibilidade.

Muitas birras podem ser evitadas apenas se expressando de uma maneira diferente, mesmo sem dar tudo o que a criança quer.

A birra já aconteceu e a criança já acalmou. O que eu faço agora?

Como reagir após um momento difícil?

Um bom jeito de reagir após tudo estar resolvido é trazendo o tópico ao longo do dia. Conversando e fazendo mais perguntas sobre o que aconteceu. Assim você consegue entender melhor o que o seu filho estava sentindo e também pode esclarecer o motivo das coisas serem daquele jeito.

Não precisa haver punição, afinal a criança ainda está aprendendo a lidar com seus sentimentos. Ao mesmo tempo, incentivar o bom comportamento pode ser muito mais efetivo. Por exemplo, após toda a birra, peça para a criança recolher os itens que jogou. Após isso reconheça o feito “Bom trabalho organizando as coisas, eu sei que você vai ser bem mais cuidadoso na próxima vez”. 

Por mais óbvio que pareça, as crianças gostam de serem reconhecidas pelo que fazem certo e é essencial incentivar isso. Assim você conseguirá evitar próximas vezes.

E como garantir que não irei ultrapassar os limites com a criança?

Como manter o autocontrole durante o estresse?

Ainda não ouvi falar de nenhuma fórmula mágica para lidar com essas situações, mas respirar fundo quantas vezes forem necessárias é o que parece mais verdadeiro. Você também tem sentimentos e diversas outras preocupações que vão além daquele momento e é preciso não se deixar levar por isso.

Por mais estressante que seja, é importante não perder a calma e a razão. Afinal, se você começar a gritar, quem garante que a criança não começará a fazer o mesmo?

Violência, gritos e punições não são a resposta para o problema.

Se estiver a ponto de perder o controle, saia do cômodo, vá tomar uma água e respire fundo mais algumas vezes.

Sempre lembre que é uma criança aprendendo a lidar com a frustração. Se para você, com anos de experiência já é difícil lidar com o estresse das birras sem perder a paciência. Imagine para a criança que recém aprendeu a falar e ainda não entende o que está sentindo ou o motivo para não ter o que quer.

Será que é possível acabar com as birras antes mesmo que aconteçam? Tem como evitar?

Quais são as maneiras de evitar a birra?

Não é garantido que irá funcionar 100% das vezes, mas muitas dessas coisas podem evitar e diminuir muito as birras dos dois anos (ou três). A principal palavra para evitar todo o estresse seria equilíbrio. Mais especificamente das seguintes maneiras: 

  • Ter uma rotina apropriada, na qual a criança não chegue ao ponto de ficar com muito sono ou fome. Sempre tendo algum lanche emergencial, caso não tenha certeza de quanto tempo estarão fora de casa;
  • Dê opções, assim a criança ainda terá controle sobre suas ações, mas dentro das opções escolhidas por você;
  • Avise que uma transição irá acontecer. Por exemplo, se é hora de ir para casa depois de brincar na pracinha, fale que irão em 5 minutos. Ou ofereça duas opções de coisas para fazer antes de ir para casa;
  • Explique os motivos quando você diz não, assim mesmo que a criança se sinta frustrada, com o tempo ela passará a entender melhor;
  • Seja presente, muitas vezes as birras são uma forma de atrair a atenção da família. Reserve um tempo para realmente estar e brincar com o seu filho;
  • Tenha atividades de acordo com a idade do seu pequeno, brinquedos ou tarefas muito avançadas podem causar muita frustração;
  • Busque entender mais sobre uma educação positiva, que traz efeitos benéficos a longo prazo para a vida em sociedade.

E como ter a certeza que são apenas os terríveis dois anos e não algo além?

Quando buscar por ajuda profissional?

As birras são normais de criança, mas tudo que é em excesso e gera dúvidas, poderia ter o uso de um profissional.

Se o seu filho estiver sendo muito agressivo, ficando com raiva por muito tempo e não tendo sinal nenhum de melhora, talvez seja o momento de buscar por um. Mas isso se você estiver reagindo de maneira calma, conversando e expressando sentimentos. 

Caso esteja agindo de maneira violenta, com gritos e agressividade, a criança poderá estar apenas imitando as suas atitudes. 

Você deve estar atento a sinais mais sérios, como a criança tentar machucar a si mesma ou mesmo segurar a respiração durante uma birra. Levando muito tempo para se acalmar, mais que 5 ou 10 minutos. Chorando até ficar exausto, ficando com raiva rapidamente ou por longos períodos. 

Nesses casos, é muito importante pedir ajuda para um profissional. Fazer consultas e descobrir o que realmente está acontecendo. Assim como pode não ser nada, o seu filho pode estar precisando de um tipo de suporte diferente e não há nada de errado nisso.

Tem alguma outra dica que te ajudou a lidar com as birras dos 2 anos? Compartilhe conosco nos comentários!

Dê uma olhada em alguns outros conteúdos do blog:

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *