Introdução de alimentos sólidos

A primeira infância é onde os picos de crescimento acontecem de maneira mais visível durante a nossa vida. O peso, os dentinhos, os cabelos, o tamanho e outras pequenas coisas que do dia para noite você nota na rotina.

Um desses grande passos é quando o bebê passa a se alimentar com sólidos. Quando além do leite materno ou da fórmula, o seu pequeno tem a oportunidade de descobrir novos sabores.

Esse é um marco de crescimento e também de independência, tanto para o bebê quanto para a mamãe.

Só que a introdução de alimentos sólidos para o bebê não acontece de uma maneira aleatória. Para tirar todas as suas dúvidas, esclarecer os cuidados e ainda dar dicas preparamos esse conteúdo bem completo para você.

Iremos abordar aqui os seguintes tópicos sobre a alimentação do seu neném:

  • Quando é a hora de dar comida sólida para o bebê?
  • Quais são os sinais de que o bebê está pronto?
  • Quais são os cuidados essenciais para a introdução?
  • Qual a quantidade ideal de sólidos na adaptação?
  • Qual a frequência de refeições sólidas?
  • Quais são os alimentos mais recomendados?
  • Como apresentar a comida para o seu filho?
  • E quanto a água? O bebê pode ou não pode tomar?

Você está pronta para tirar todas as suas dúvidas sobre como dar comida? Então vamos lá…

Quando é a hora de dar comida sólida para o bebê?

Até os seis meses de vida, não é recomendado dar qualquer coisa que não seja leite materno para o seu bebê. Não é indicado água, frutas, nada que não seja o leite.

No entanto, a partir dos 6 meses de idade e já com o surgimento dos primeiros dentinhos você pode começar a pensar nas comidas sólidas.

Essa decisão não é aleatória, é uma recomendação médica já que antes dos 6 meses a criança pode não estar preparada. O sistema digestivo ainda está se desenvolvendo e o corpo do bebê não estará pronto para combater infecções e alergias que os alimentos podem acabar trazendo.

Além de esperar até pelo menos 6 meses com apenas leite materno ou fórmula, é preciso reconhecer os sinais. Quando for a hora de introduzir alimentos sólidos a própria criança irá apresentar sinais bem claros para você.

Veja quais são os sinais de que é hora da comida sólida no próximo tópico…

Quais são os sinais de que o bebê está pronto?

Existem alguns sinais bem comuns no dia a dia que podem mostrar que o seu filho já está pronto para experimentar comida. Para desenvolver o paladar e ficar muito mais independente em sua rotina.

O momento que essas situações acontecem pode variar muito de criança para criança, mas normalmente acontecem até os 6 meses de vida. Se a partir dos 7 meses a criança ainda não estiver com essas características é essencial consultar com um pediatra. Garantindo assim a saúde do seu miudinho.

Agora vamos para os elementos práticos, os sinais de que o seu bebê está pronto para comer alimentos sólidos são os seguintes:

  • O bebê já consegue manter a cabeça erguida: Normalmente essa habilidade começa entre 3 e 4 meses de vida e é essencial para que o bebê possa se alimentar com uma colher;
  • Está super curioso na hora das refeições: Você irá notar que os olhinhos do bebê chegam a acompanhar a comida do seu prato até a sua boca. Ele vai começar a tentar agarrar com suas mãozinhas e não para de encarar quando você ou qualquer outra pessoa está comendo;
  • O neném já sabe mastigar: Mesmo que ainda não tenha começado a comer, já brinca mastigando com a boca. Principalmente quando está observando alguém comer algo. Isso irá mostrar que os músculos da boca já estão preparados;
  • A criança desenvolveu uma postura ao sentar: Quando o bebê é recém nascido ele simplesmente não tem essa habilidade. Após alguns meses e com apoio, a postura do pequeno muda completamente, podendo se manter estreito aos pouquinhos. Ainda será necessário suporte para o pequeno sentar, mas já é um dos sinais que o corpo da criança está preparado para a alimentação sólida;
  • O bebê perdeu o reflexo da língua: Como um mecanismo de defesa do corpo, sempre que o bebê coloca algo na boca a língua vai para fora, expelindo o objeto estranho e impedindo-o de engasgar. Com o passar do tempo o neném vai perdendo esse reflexo, até desaparecer por completo.

Lembre-se que nada disso são regras, alguns bebês estão prontos antes mesmo da dentição, usando a gengiva para a mastigação. O importante é estar atento ao desenvolvimento do seu bebê e dar o melhor suporte possível.

Além disso, não basta só passar a dar comida para o bebê do dia para a noite. Essa nova etapa precisa de diversos cuidados…

Quais são os cuidados essenciais para a introdução?

Uma das coisas mais importantes de se pensar é que o estômago do bebê ainda é do tamanho de um punho. O que significa que ele não vai passar a comer uma fruta inteira ou deixar de mamar rapidamente.

A introdução alimentar é um processo lento e deve ocorrer com diversos cuidados. Principalmente se você tiver casos de alergias na sua família.

Você precisará ter muita calma, introduzir um alimento de cada vez e ficar extremamente atenta a qualquer mudança, a qualquer reação no corpo da criança. Não faça misturar e deixe um intervalo de dias antes de apresentar algo novo para o seu bebê.

Pelo menos em torno de 3 a 5 dias para cada novo alimento. Assim você terá a certeza da adaptação. Além de que se infelizmente o bebê tiver uma reação alérgica, você saberá exatamente o que causou e poderá dar muito mais informações ao seu pediatra. 

Além de tudo isso que já esclarecemos aqui, veja outros cuidados que você deve ter na hora da introdução de alimentos sólidos para o seu filho:

  • Não troque o leite materno pelo leite de vaca, mesmo que o seu filho já tenha iniciado com as comidas sólidas. Até os seis meses de vida é recomendado exclusivamente o leite materno ou fórmula. Só que a amamentação continua sendo saudável para o seu bebê mesmo além dessa faixa etária;
  • Não dê água, chás ou sucos para o seu neném antes dos 6 meses de idade. De preferência converse com o seu pediatra antes de qualquer decisão do tipo;
  • Não utilize o liquidificador ao preparar papinhas. A papinha do bebê deve ser pastosa, mas não líquida. O melhor são os alimentos amassados mesmo;
  • Faça da alimentação um processo natural para o seu filho. Sistemas de punição e recompensa podem ser extremamente estressantes para uma criança tão pequena. Complemente a alimentação com o leite materno, mas não insista em deixar a tigela vazia ou o bebê não ter comido o suficiente;
  • Respeite a idade certa. A Organização Mundial de Saúde recomenda uma alimentação exclusiva de leite materno até os 6 meses de idade. Não tente introduzir alimentos antes disso, já que o corpinho do bebê ainda não estará preparado para isso;
  • Muito cuidado com a higiene no preparo da refeição do seu bebê;
  • Ao introduzir sucos naturais (após os 6 meses) não coloque qualquer forma de adoçante. É importante também ter cuidado com a acidez da fruta e misturar com água se necessário;
  • Lembre-se que desde o dia 1 você será o exemplo para todos os hábitos dos seus filhos. O seu prato não será diferente, invista em legumes, verduras e proteínas.

E sobre a quantidade? Como fazer?

Qual a quantidade ideal de sólidos na adaptação?

 Como comentamos, mesmo quando chega a hora de introduzir alimentos sólidos para o bebê, o seu estômago ainda é muito pequeno. Então a cada vez que você apresentar algum alimento novo o bebê irá ingerir apenas algumas colheres, bem pequenas a cada vez.

É importante deixar o bebê saborear o novo alimento e a textura, dando sempre bem pouquinho de cada vez.

É preciso ter paciência e ao mesmo tempo não deixar com que o bebê fique frustrado por estar com fome.

A quantidade ideal de sólidos na fase de adaptação é apenas algumas colheres por tentativa, complementando com o leite materno.

E quanto a frequência? Só uma vez ao dia? Como fazer?

Qual a frequência de refeições sólidas?

Como a quantidade que o seu filho estará ingerindo será muito pequena, a frequência irá variar bastante. O recomendado é que você faça entre 4 e 6 mini refeições por dia. Assim o pequeno poderá explorar bem o sabor, a textura que você está apresentando e o seu corpo poderá se adaptar adequadamente antes que seja apresentado um novo alimento.

Quer saber quais são os alimentos que você pode utilizar para a introdução de sólidos do seu bebê? Veja no nosso próximo tópico…

Quais são os alimentos mais recomendados?

Dos 6 aos 8 meses você pode focar em cereais enriquecidos com vitaminas, arroz, aveia, cevada, pêssegos, abacate, ameixas. Lembrando que as papinhas devem ser de um único ingrediente, como banana, maçã, batata doce, abóbora, lentilha, aveia, couve-flor ou frango;

Quando o seu filho se adaptar com uma variedade de coisas de um ingrediente você pode começar a explorar diferentes tipos de alimentos. Como salmão, batata, carne, brócolis, frango e espinafre.

Alimentos que a criança pode explorar apenas com as mãos também são uma boa alternativa. Como macarrão, queijo em cubos, ovo cozido e outros.

Quando o seu bebê estiver entre 8 e 10 meses de idade você poderá alterar o aspecto pastoso das papinhas para algo mais sólido. Fazendo a transição aos pouquinhos, deixando alguns pedacinhos de alimentos sem esmagar, assim o bebê vai praticando a mastigação.

Nessa idade você também poderá introduzir sabores com ervas, temperos e raspas de limão.

Quando o seu filho já está chegando perto do um ano de idade, você pode continuar investindo em comidas de mão. Além disso você pode compartilhar pedaços da sua comida, do prato com o seu pequeno. 

Nessa fase também dá para incluir alimentos como quinoa, linhaça, tofu en peixe. Sempre com muita atenção a espinhos, sementes ou qualquer coisa que poderá fazer o bebê engasgar.

Como fazer essa introdução alimentar? Existe algum jeito específico que deve ser seguido?

Como apresentar a comida para o seu filho?

Paciência e cuidado são sem dúvidas as palavras chaves para o processo de introdução dos alimentos sólidos. 

Não há segredos e também não precisa se preocupar. A alimentação é a atividade mais natural que existe no planeta. Nossa tarefa é somente ajudar para que seja o mais saudável e segura possível.

Entenda os sinais que falamos aqui, respeite o tempo do seu bebê e siga todos os cuidados mencionados. Converse com o seu pediatra e até mesmo com outras mamães, caso irá lhe trazer mais segurança.

Outra coisa importante de se pensar é em que momento da rotina você colocará essas refeições. Evitando ao máximo quando o bebê já está com muita fome ou quando está com muito sono.

Busque momentos mais tranquilos, com um clima que o seu pequeno consiga aproveitar bem.

E quanto a água? O bebê pode ou não pode tomar?

Enquanto o bebê está na amamentação ou fórmula, até os seis meses de idade, ele não deverá beber água. O leite materno contém todos os nutrientes necessários para o seu crescimento saudável.

A partir dos 7 meses de idade começa a introdução alimentar e com isso a água pode, e deve, ser introduzida. Também deve ser aos pouquinhos, com um gole aqui e outro ali durante o dia.

Até que chegue a quantidade de 600ml ao dia.

Lembrando que o bebê não deverá tomar essa quantidade sem estar acostumado, deverá ser algo gradual ao longo dos meses.

Conclusão

A única mensagem que acho importante de passar além de tudo que já falamos aqui é: aproveite esse momento! A introdução alimentar é uma fase gostosa, onde cada dia é uma primeira vez provando algo.

Você dará risada com as expressões do pequeno e se divertirá quando ele destruir uma fruta de ponta a ponta. 

É uma fase movimentada e que irá passar muito rápido, então aproveite muito e crie boas lembranças para o futuro de vocês.

Além disso, sempre, consulte o seu pediatra. Ele será a pessoa que poderá tirar todas as suas dúvidas garantindo a total segurança do seu filho.

Gostou do nosso conteúdo? Deixe um comentário abaixo, vamos adorar saber tua opinião!

Você também pode gostar de ler os seguintes conteúdos:

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *